quinta-feira, 13 de abril de 2017

Efeito Trump Sentido na Austrália



O efeito Trump também está marcando presença na Austrália, pois o setor de intercâmbios educacionais australiano vive dias movimentados sob o efeito dos decretos anti-imigratórios assinados pelo presidente norte-americano Donald Trump. As regras das versões mais recentes dos decretos passaram a valer em meados de março, mas ainda são rodeadas de incertezas em meio a disputas judiciais contra o novo governo. Diante do clima de insegurança que as decisões provocam, as escolas australianas se posicionam como alternativas preferenciais para todos os interessados em intercâmbio na Austrália.

A Austrália é reconhecida pelo acolhimento fraternal ao estrangeiro e felizmente nesta área o efeito Trump não se fez sentido. Conforme o relatório Priceconomics, elaborado a partir de dados da ONU de 2015,  a Austrália entre os países mais desenvolvidos do globo está à frente em percentual da população composta por imigrantes – 28,2%. E é justamente agora que a plataforma australiana difundida mundo afora como um “multiculturalismo pacífico” contribui, mais do que nunca, para sua competitividade no mercado global de intercâmbio.

O Unesco Institute for Statistics aponta a Austrália na quarta posição entre os países que mais recebem estudantes internacionais, atrás apenas da França (3º), dos países do Reino Unido (que, somados, estão em 2º lugar) e dos Estados Unidos (tradicionalmente no topo do ranking). Mas essa relação não inclui cursos de curta duração (com menos de um ano letivo), como a maioria dos programas de intercâmbios para idiomas. E é exatamente neste setor que o efeito Trump tende a ser mais impactante e favorável para a oferta australiana de intercâmbios.

“A decisão de estudar inglês ou realizar um curso técnico é menos complexa do que um planejamento para realizar graduação ou pós-graduação no exterior, com seus procedimentos e prazos rigorosos de seleção”, avalia MaCson Queiroz, diretor da M.Quality, única agência credenciada de imigração e intercâmbio brasileira com mais de 15 anos na Austrália. Por isso, a insegurança com os decretos anti-imigração nos Estados Unidos já começa a surtir efeitos imediatos entre o segmento dos cursos mais rápidos. Ao todo, o país registrou 554 mil estudantes estrangeiros com cursos pagos integralmente em 2016. Os estrangeiros representam 48% do número total de alunos na Austrália. “O mercado prevê novos impulsos nestes números em função dos anseios em torno do novo governo americano e também das dúvidas sobre as medidas a serem tomadas no Reino Unido para deslocar-se na União Européia (Brexit)”, esclarece Queiroz.

As decisões de impedir a entrega de imigrantes nos Estados Unidos envolvem especificamente seis países muçulmanos. Mas o ambiente contrário aos estrangeiros entre partidários de Trump afeta diretamente latino-americanos, como mexicanos e brasileiros. A nova política americana já teria provocado reação entre escolas de intercâmbio nos Estados Unidos, que tentam garantir segurança aos estudantes receosos deste perverso efeito Trump. Já na Austrália, escolas de idiomas passaram a oferecer promoções entre 15% e 30% − interessadas justamente em atrair os alunos que estão decidindo fugir das poucas amigáveis opções americanas ou inglesas.

Todas as condições ofertadas de intercâmbios por instituições australianas de ensino são tabeladas e independem de quem as negocia. “Nessa hora de grande interesse pela Austrália, nosso conselho é para que o estudante tenha cuidado na escolha dos agentes de intercâmbio e procure pesquisar as opções de estudo com orientação profissionalizada sobre estudar e viver na Austrália”, recomenda Queiroz, da M.Quality. O próprio departamento de imigração alerta para riscos de fraudes e promoções irreais nos valores dos cursos. Para tanto, o governo determinou cuidados extras na análise dos vistos para estudantes. “Os interessados devem ter atenção redobrada com a documentação e o processo de solicitação de visto, acompanhados por agentes credenciados junto ao OMARA (“Office of the Migration Agents Registration Authority” – uma espécie de secretaria de defesa e proteção aos direitos do consumidor criado pelo do governo australiano).”, enfatiza Queiroz.

Sobre a M.Quality - A M.Quality é uma empresa de Assessoria em Imigração, Intercâmbio e Negócios especializada em auxiliar com o visto e na ida legal de brasileiros para a Austrália. Em 2017, a agência completa 16 anos no mercado, sendo a única agência brasileira de intercâmbio e imigração que possui licença validada pelo governo australiano com tal experiência. A M.Quality nasceu em 2001 por meio do empreendedorismo de MaCson Queiroz J.P., engenheiro eletrônico pela Escola de Engenharia Mauá (SP), ex-instrutor do SENAI-SP e consultor imigratório com mais de 15 anos de experiência no ramo. A empresa foi fundada na Austrália e mantém a sede no país e um escritório na cidade de São Paulo. Para mais informações, acesse: http://www.mquality.com.br/ e http://mqualitynews.blogspot.com.br/.

Nenhum comentário: